Agência Brasil inicia amanhã série Direitos das Crianças no país da Copa (EBC/Agência Brasil)

timlopes_banner

No ano em que o Brasil recebe a Copa do Mundo e a seleção brasileira comemora seu centenário, a expectativa é que o turismo bata recorde e que o país feche 2014 com mais de 10 milhões de visitas.

Se, por um lado, o aumento no turismo aquece a economia, movimenta o comércio e aumenta a procura por serviços, por outro, traz problemas como os preços abusivos, o consumo desenfreado e até contribui para agravar a situação de crianças e adolescentes vulneráveis às redes de trabalho infantil e exploração sexual.

No jogo de altos investimentos, grandes obras e seleções estrelares, o elo mais fraco é a criança que, ao contrário do mascote da Copa, o tatu-bola, não pode se proteger dentro de uma carapaça.

A Copa do Mundo encanta as crianças e estimula a prática esportiva. Mas as cidades-sede ainda enfrentam enormes desafios para assegurar o direito ao esporte, engajar as escolas no combate ao racismo e garantir os direitos de meninos e meninas em situação de rua. As remoções para a construção de obras viárias colocaram em risco o direito à convivência comunitária e não contribuíram para a criação de novos espaços de lazer.

Desde março, equipes de reportagem da Empresa Brasil de Comunicação (EBC) percorreram as 12 cidades-sede da Copa e fizeram uma radiografia de como estão sendo tratados os direitos das crianças e dos adolescentes. Onde ainda é preciso avançar? O que a sociedade tem feito para garantir esses direitos? Como terminar a Copa com um legado positivo para a infância e adolescência?

A bola ainda não começou a rolar nos gramados, mas as denúncias sim. Em São Paulo, a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Exploração Sexual Infantil da Câmara Municipal recebeu relatos de que aliciadores estavam oferecendo garotas de 11 a 17 anos para os operários da obra. E em Cuiabá, do início da construção da Arena Pantanal até agora, o número de casos de exploração sexual infantil triplicou.

Para reverter essa realidade, iniciativas comunitárias e de organizações não governamentais (ONGs) incentivam a prática de atividade física e veem nos grandes eventos a oportunidade de promover o esporte.

“A gente recebeu não só a Copa, mas também as Olimpíadas, como o momento ideal para promover o esporte, conscientizar e mobilizar para a melhoria das políticas públicas esportivas no Brasil”, destaca a assessora para políticas públicas da ONG Atletas pelo Brasil, Sílvia Gonçalves.

O trabalho das redes de proteção, entretanto, não acompanha o rápido desenvolvimento das redes de exploração. Além disso, a falta de denúncias dificulta a apuração das autoridades. Outro entrave é a situação familiar de pobreza.

“O combate à exploração sexual infantil não é fácil. A vítima não se sente sente vítima, as famílias, de certa forma, se locupletam com o dinheiro da exploração sexual da família. Então tem-se a notícia de que aquela adolescente é vítima de exploração sexual, mas quando você vai ouvir a menina, vai ouvir os parentes, a resposta é não”, diz a delegada de Combate à Exploração da Criança e do Adolescente de Fortaleza, Ivana Timbó.

A partir de amanhã (6), a Agência Brasil publica a série de reportagens Direitos das Crianças no País da Copa. O projeto que deu origem a essa série foi vencedor da Categoria Rádio do 7º Concurso Tim Lopes de Jornalismo Investigativo, realizado pela Andi, Childhood Brasil e pelo Fundo das Nações Unidos para a Infância (Unicef).

As matérias trarão os principais problemas encontrados nas cidades-sede e algumas das iniciativas encabeçadas pela sociedade civil ou pelos governos para prevenir ou frear casos de exploração de crianças.

Para a empreitada, foram escalados os repórteres Akemi Nitahara, Beatriz Pasqualino, Bruno Bocchini, Danyele Soares, Isabela Vieira, Liliane Farias, Raquel Júnia, Sheily Noleto e Tchérena Guimarães. Também participaram do projeto os repórteres fotográficos Antonio Cruz, José Cruz, Fabio Pozzebom, Marcello Casal Jr, Tânia Rêgo, Tomaz Silva, Valter Campanato e Wilson Dias.

As matérias serão publicadas até o dia 21 de maio.

>Ver artigo original

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail

Comentarios:

AlphaOmega Captcha Classica  –  Enter Security Code
     
 

*