FAQ (Perguntas Frequentes) sobre Pornografia/Antipornografia (antipornography.org)

FAQ (Perguntas Frequentes) sobre Pornografia/Antipornografia

*O que há de errado com a pornografia?

1) Pornografia degrada e desumaniza as mulheres e as meninas
2) A pornografia glamouriza o estupro
3) A pornografia prejudica relacionamentos afetivos e sexuais
4) A pornografia mente sobre as mulheres, mostrando-as como sexualmente insaciáveis
5) A pornografia cria insegurança nos homens por mostrar que o prazer sexual está essencialmente ligado ao tamanho do pênis
6) A pornografia glamouriza a escravidão sexual
7) A pornografia encoraja a hiper sexualização de crianças
8) A pornografia é racista

*Por que você está argumentando contra a pornografia?

Porque a pornografia degrada as mulheres, as relações sexuais e toda a humanidade. Ela frequentemente glorifica e promove o sadismo, o masoquismo, estupro, incesto, pedofilia, misoginia e a violência contra as mulheres e meninas. Prejudica relacionamentos, casamentos, crianças e famílias. Ela também cria demanda por prostituição e tráfico sexual internacional. Além disso, é uma indústria sem regulamentação e abusiva que freqüentemente explora sobreviventes vulneráveis de abuso sexual na infância. Permitir que todos esses danos sejam causados não é uma opção consciente.

*Mas se alguém quiser fazer pornografia é sua escolha pessoal e, portanto, não é da conta de ninguém.

Só porque alguém faz uma escolha não significa que seja uma escolha saudável ou boa para a pessoa ou para a sociedade em geral. As pessoas freqüentemente escolhem usar drogas perigosas ou cometer violências contra os outros. Isso não significa que essas escolhas são positivas ou éticas. Se você se preocupa com a humanidade é importante se manifestar a fim de encorajar as pessoas a fazer escolhas mais saudáveis que irão melhorar as suas vidas e as condições gerais da nossa sociedade.

*Se você não gosta de pornografia então simplesmente não assista.

– Permanecer em silêncio diante de extremo sexismo, abuso e desumanização seria irresponsável e isso não é uma opção para qualquer pessoa com consciência. Quer sugerir o mesmo sobre outros problemas? Quer dizer para alguém que se eles não gostam de racismo ou de violência para simplesmente olhar para o outro lado?

*Você não deve forçar suas opiniões sobre os outros. Isso é fascismo!

– Ninguém está sendo “forçado” a ler nada e não é “fascista” fornecer informação educativa para que os indivíduos possam fazer escolhas informadas sobre o seu consumo de pornografia ou a sua participação na indústria do sexo.

*Você está sendo tendenciosa. Para ser justa, você deve apresentar ambos os lados da ”moeda”.

– Ser tendenciosa contra uma indústria exploradora e sexista é algo para se orgulhar, e não há necessidade de apresentar o outro lado. No entanto, é fácil encontrar os pontos de vista de pessoas que são a favor da pornografia e prostituição, etc, como a Internet está saturada com pornografia e sites que vigorosamente promovem, defendem e apoiam todos os aspectos da indústria global multi-bilionária do sexo.

*Se você é anti-pornografia, então isso significa que você é anti-sexo, não é?

– Olha, rejeitar a crueldade e a misoginia da pornografia não significa ser contra o sexo! O sexo pornográfico é sobre o desligamento de sentimentos e sobre objetificação, humilhação e degradação das mulheres. O sexo pode ser muito melhor do que esta definição estreita da sexualidade como “dominação / subordinação”. O sexo pode ser sobre a humanidade, respeito, carinho e amor. Como a educadora feminista anti-pornografia Gail Dines diria: “Quando criticamos o McDonalds por sua comida pouco saudável, práticas de negócios ambientalmente destrutivas e direcionamento das crianças através da publicidade manipuladora, ninguém nos acusa de sermos anti-comida”. O mesmo se aplica à pornografia. Se a pornografia tem diminuído a sua definição de sexualidade, sinto pena de você.

* Olha, a pornografia existe desde os homens das cavernas, quando os primeiros seres humanos desenharam atividades sexuais nas paredes das cavernas … Então, por que fazer grande alarde sobre isso?

É verdade que sempre houveram diferentes tipos de representações sexuais ao longo da história, mas dizer que eles foram todos pornografia é simplista. É verdade que a pornografia pode ser rastreada sem dificuldade, tanto quanto na Grécia Antiga, no oeste, mas a palavra “pornografia” também se refere à escrita, gravura ou desenho de mulheres que, de fato, foram mantidos em escravidão sexual feminina na Grécia Antiga (C. MacKinnon e A. Dworkin, em D. Russell Ed, Fazendo da Violência sexy; 1993). “A influência da pornografia em homens que governam as sociedades, e, assim, para o desenvolvimento das instituições sociais misóginas, pode ser rastreada através do feudalismo, mas é apenas por meio da tecnologia relativamente recente que o ambiente social foi saturado com a pornografia que fere mulheres com legitimidade social. Esta mesma abrangência e disponibilidade aberta tornaram também possível entender e documentar os efeitos da pornografia, daí o seu lugar na institucionalização da cidadania de segunda classe para as mulheres, pela primeira vez na história.”(Nota do projeto de lei proposto sobre a pornografia, 26 de dezembro de 1983). Houveram muitas representações sexuais na arte e literatura na história, mas nem todas elas foram pornografia. Além disso, a indústria da pornografia contemporânea não é uma forma de arte, mas de exploração. Em uma sociedade capitalista patriarcal a indústria da pornografia tem apenas interesse em obter lucro com imagens que exploram a sexualidade, em vez de desvendá-la.

*A pornografia não nos torna mais sexualmente criativos?

Uma das reivindicações mais absurdas feitas por pornógrafos e seus defensores é que “a pornografia expande nossa imaginação”. Na verdade, a fórmula imutável do script pornográfico desliga em vez de abrir a imaginação sexual das pessoas. Pornografia só dá às pessoas uma visão da sexualidade que está enraizada na dominação das mulheres e aceitação das mulheres de sua própria degradação pelos homens. Ela oferece a mesma progressão de atos sexuais que terminam da mesma forma com o que é chamado (na indústria), o “cum shot” ou “Money Shot”. Se você acha isso criativo, sinto pena de você.

*Você é pró-censura?

Não, eu não sou a favor da censura. Gritar “censura” sempre foi uma tática de pornógrafos e seus defensores de calar a crítica feminista da pornografia e afastar as pessoas da questão. Além disso, quando as feministas escrevem artigos sobre os malefícios da pornografia, a maior parte da grande imprensa se recusa a publicá-las. Então, quem está sendo censurado aqui?Somos a favor de educar sobre os danos da pornografia, a fim de reduzir o consumo da mesma. Existem muitas outras maneiras de abordar esta questão, além de censura, como a educação das comunidades sobre os efeitos prejudiciais de pornografia, exigindo fóruns públicos ou discussões onde pudéssemos falar sobre os danos da pornografia, defendendo uma abordagem de direitos civis para esses danos, ou a exibição de rótulos de advertência (como nos maços de cigarros), etc … Estas são algumas das muitas estratégias que não necessitam de censura. Nós não queremos censura, nós nos opomos à CENSURA !!!

*Não há também feministas por aí que dizem que são pró-pornô?

Colocar mulheres contra mulheres e feministas contra feministas tem por muito tempo sido um dos planos sórdidos favoritos dos pornógrafos. As feministas anti-pornografia estavam aqui antes das “feministas” pró-pornografia. Você não pode ser uma feminista pró-porn assim como não pode ser um vegan pro-carne! Feminismo não é sobre a promoção da disponibilidade de corpos de mulheres para o uso dos homens. O feminismo é a noção radical que as mulheres são seres humanos, tanto quanto os homens. Será que a pornografia retrata as mulheres como sendo seres humanos significativos reais com esperanças e sonhos? Não, a pornografia odeia e desumaniza as mulheres! As ditas ”feministas” como Nina Hartley, Susie Bright, Nadine Strossen, Wendy McElroy, Carol Queen ou qualquer outra das “feministas” que são pró-pornografia, pregam algo danoso para as mulheres. Essas mulheres provavelmente estão fazendo um monte de dinheiro defendendo a indústria pornô! Algumas delas também defendem a prostituição como um trabalho viável para as mulheres (cf. COYOTE). Estas “feministas” se chamam “radicalistas sexuais” ou “sexo-positivas” .

Como Christine Stark diz: “radicalismo sexual de verdadeiro seria reconhecer as estruturas de desigualdade e opressão, trabalhando em direção a relações igualitárias, e a se aliar com aqueles (sejam eles minorias ou maiorias) que não têm poder político ou social” (como as vítimas da pornografia e prostituição) … “Muitas das” radicais do sexo “são brancas acadêmicas privilegiadas que fizeram suas carreiras defendendo a exploração de mulheres, regurgitando mentiras que culpabilizam as mulheres.”(Not for Sale, 2004). Outras mulheres que defendem a pornografia se tornaram pornógrafas (embora a esmagadora maioria dos pornógrafos ainda são homens) e estão prejudicando muitas mulheres fazendo isso. Quando algumas mulheres defendem a pornografia e a prostituição, significa nada mais do que uma adesão ao opressor… feministas são mais fortes do que isso: elas se rebelam contra o opressor! As “feministas” pro-pornografia também são muitas vezes divulgadas pela mídia e infinitamente apoiadas por pornógrafos e defensores da indústria.

*Não existe uma maneira de fazer algum pornô que não agrida a mulher? Na verdade, eu ouvi dizer que alguns pornôs feministas existem, não é verdade?

É compreensível que em uma sociedade com uma cultura midiática que celebra a pornografia não haveria interesse em contrariar as imagens misóginas e racistas com representações mais saudáveis da sexualidade. E tal idéia parece ser compreensível quando tantas pessoas foram socialmente treinadas para consumir imagens para a sua própria sexualidade (em vez de ter uma sexualidade própria que não depende de imagens). Mas você tem que considerar estes fatos: – Número 1: A coisa mais importante no momento é se comunicar com os outros, a fim de ir contra a cultura da pornografia e mudá-la. Temos de falar honestamente sobre a crise de sexo/gênero que enfrentamos, juntamente com a epidemia de violência contra mulheres e crianças. Temos de dizer NÃO à pornografia! – Número 2: a palavra “pornografia” (derivado das palavras gregas “Porne” e “graphos”) significa originalmente a “representação das prostitutas em situação mais precarizada”. Será sempre misógino e sempre será a representação das mulheres como “as prostitutas em situação mais precarizada”. Quanto ao chamado pornô feminista, ele não muda nada na dinâmica de dominação-subordinação da pornografia almejada por homens heterossexuais. Considere um título, por exemplo: “O Poder da Submissão”, de Nina Hartley.

“Pornô feminista”, “pornô para as mulheres”, ou “pornô para casais” são apenas tentativas baratas de pornografia de marketing da pornografia para mulheres para ganhar mais dinheiro. Não há dúvida de que há um lugar para pensamentos criativos de uma sexualidade saudável na luta pela cultura de justiça e de igualdade entre os sexos. Mas, uma representação saudável da sexualidade não deve ser chamada de “pornografia”; TALVEZ em uma sociedade não-patriarcal, ela seria chamada de “erotico”. No entanto, em uma sociedade patriarcal e capitalista, a máxima “se você não pode vencê-los, junte-se a eles”, a idéia de querer “erotica feminista” como uma solução para o problema, é uma pura perda de tempo. Pornografia misógina (que é o tipo de material sexual que a maioria dos homens querem ver) não vai sumir tão facilmente e as mulheres e as crianças continuarão a ser prejudicadas. Há tantas coisas mais urgentes e tantas outras lutas a serem superadas antes de sermos capazes de viver em uma sociedade não-patriarcal do que pensar em coisas como “formas igualitárias de artes eróticas”!

De fato, pensar sobre essas coisas antes da derrubada de todo o patriarcado acontecer, não é nada mais do que se entregar! E isso é uma loucura! Enfrentar os malefícios da pornografia e prostituição de mulheres e crianças, e trabalhar para a construção de um novo mundo não-patriarcal, são causas primordiais !!! Como Gail Dines sublinhou na conferência anti-pornografia feminista de 2007, vivemos em uma “cultura da imagem como base” (ou seja, qualquer coisa, para ser útil, tem que ser feita em uma imagem) e a resposta para parar cultura pornô não é mais imagens. Pessoalmente, eu me sinto muito mais livre sem ter imagens manipulando e controlando minha vida e sexualidade!

* Por que você está dizendo que a pornografia é racista?

A desigualdade racial ainda é tão obviamente presente na sociedade, se você olhar com atenção verá que a pornografia é extremamente racista. Na pornografia, as negras e negros, latinas e latinos, indígenas etc são retratados como sub-humanos e possuídores de uma sexualidade animalesca, enquanto as mulheres asiáticas são retratadas como extremamente submissas. Mulheres latinas são retratadas como sendo “de sangue quente”. As feministas estão plenamente conscientes desses estereótipos racistas presentes na pornografia “interracial”. As mulheres não brancas são maioritariamente observadas em um material pornô mais agressivo. Isso mostra uma ideologia racista! Obviamente, o racismo – assim como a violência – na pornografia é feita de forma ”invisível” porque foi hiper sexualizado…

*E a pornografia gay e lésbica? Você é contra essas categorias também?

Somos contra todas as formas de pornografia, porque, infelizmente, a grande maioria da pornografia comercial gay masculina imita a dinâmica de dominação / subordinação do pornô hétero. O mesmo acontece com a maior parte da pornografia lésbica. Essas categorias também são prejudiciais. Somos pró-homossexuais e pró-lésbicas . Além disso, a homofobia é por vezes expressa através de diálogos na pornografia heterossexual.

*Olha, existe realmente uma ligação cientificamente comprovada entre pornografia e estupro?

Ao contrário do que os seus adversários dizem, as feministas nunca fizeram a afirmação de que houve uma “prova científica” de que a pornografia causa estupro. O comportamento humano é complexo demais para fazer tais afirmações simplistas. Mesmo Diana EH Russell, em seu escrito “A pornografia como causa do estupro”, concorda que a pornografia sozinha não causa o estupro; ela explica o papel da pornografia em estupro só em um caso de “causalidade múltipla”. A pergunta que devemos fazer não é “a pornografia causa estupro?” mas sim ” a pornografia é sempre um fator implicador de estupro?”. Sorte que nem todos os usuários de pornografia estupram mulheres. No entanto, os estudos das ciências sociais empíricas que têm sido analisados juntamente com os testemunhos de mulheres, crianças, trabalhadores de abrigos para mulheres maltratadas e pessoas que trabalham com criminosos sexuais nos levam a crer que realmente existe uma ligação entre pornografia e violência sexual.

Essas perguntas e respostas foram tiradas dos sites againstpornography.org e http://www.antipornography.org/

>Ver original.

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail

Comentarios:

AlphaOmega Captcha Classica  –  Enter Security Code
     
 

*