Vícios em videogame e pornografia on-line estão gerando ‘crise de masculinidade’, diz psicólogo (O Globo)

051015_video

RIO — O psicólogo Phillip Zimbardo, professor emérito na Universidade Stanford, alerta que os homens jovens estão enfrentando uma “crise de masculinidade” provocada por vícios em videogames e pornografia on-line. No livro “Man (Dis) connected” (”Homem (des) conectado”, em tradução livre), o especialista mostra os resultados de pesquisa realizada com 20 mil jovens e aponta os riscos de novos hábitos criados pela tecnologia.

— Nosso foco é em homens jovens que jogam videogames em excesso, e o fazem em isolamento social. Eles ficam sozinhos em seus quartos — disse Zimbardo, em entrevista à BBC. — Agora, com pornografia gratuita disponível, o que é único na história, eles estão combinando o videogame, e, como pausa, vendo em média duas horas de pornografia por semana.

Com isso, diz Zimbardo, existe uma “crise de masculinidade” entre os jovens, com um alto número de casos de pessoas sofrendo de uma “nova forma de vício” com o uso excessivo de videogames e pornografia. Com isso, diz o pesquisador, eles enfrentam problemas no desenvolvimento social e nas conquistas acadêmicas.

Como exemplo, ele citou uma mãe que dizia que o filho não via problema em jogar videogame por até 15 horas diárias.

— Para mim, excesso não está no número de horas, mas na mudança psicológica na mentalidade — diz Zimbardo. — Dessa forma, quando estou na aula, eu gostaria de estar jogando “World of Warcraft”. Quando estou com uma garota, eu gostaria de estar assistindo pornografia, porque eu nunca seria rejeitado.

De acordo com o pesquisador, trata-se de um novo fenômeno que está afetando as mentes dos jovens.

— Isso começa a muda as funções do cérebro. Começa a mudar o centro de recompensas do cérebro, e produz um tipo de excitação e dependência — afirma Zimbardo. — O que estou dizendo é: os cérebros dos garotos estão sendo reconfigurados digitalmente.

DISFUNÇÃO ERÉTIL

O pesquisador também chama atenção a um novo fenômeno que afeta cada vez mais jovens. Trata-se da “disfunção erétil induzida pela pornografia”.

— Garotos jovens que deveriam ser viris agora estão tendo problemas com ereção — diz o psicólogo. — Você tem esse paradoxo. Eles estão assistindo vídeos excitantes que deveriam deixá-los ligados, mas eles não ficam ligados.
Essa disfunção ainda é tema polêmico. Artigos publicado na revista “Psychology Today” defende que não existem ligações demonstráveis cientificamente entre o consumo de pornografia e a disfunção erétil.

Mesmo assim, Zimbardo alerta que os pais devem ser mais atentos sobre o número de horas que seus filhos gastam em atividades solitárias, e devem incentivá-los para a vivência social. O psicólogo também recomenda que as escolas alterem as discussões nas aulas de educação sexual. Em vez de centrar o debate nas questões biológicas e de segurança, devem falar sobre emoções, contato físico e romance.

Phillip Zimbardo é conhecido por um experimento realizado na década de 1970 no qual 24 estudantes foram designados a cumprir o papel de guardas e prisioneiros em uma prisão falsa na Universidade Stanford. Prevista para duas semanas, a experiência foi abandonada após seis dias, porque os guardas se tornaram extremamente sádicos e os prisioneiros, submissos e depressivos.

>Ver artigo original.

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail

Comentarios:

AlphaOmega Captcha Classica  –  Enter Security Code
     
 

*