Ativistas lançam campanha contra turismo sexual durante Jogos Olímpicos (Terra)

Ativistas lançam campanha contra turismo sexual durante Jogos Olímpicos

A Coalizão Regional contra o Tráfico de Mulheres e Meninas na América Latina e no Caribe (Catwlac, na sigla em inglês) lançou nesta sexta-feira em São Paulo uma campanha contra o turismo sexual durante os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, que começarão no próximo dia 5 de agosto.

A ativista mexicana Teresa Ulloa Ziáurriz, diretora da Catwlac, apresentou no Instituto Cervantes de São Paulo a campanha internacional denominada “Diga não ao turismo sexual! Comprar sexo não é um esporte”.

A campanha estará vigente durante todas as Olimpíadas, que acontecerão até o dia 21 de agosto, período no que o Brasil terá um movimento de seis milhões de turistas nacionais e estrangeiros e no qual um grande número deles realizará turismo sexual, inclusive com menores de idade, segundo a Catwlac.

“Não é gratuito que o Brasil seja o segundo destino em nível mundial de turismo sexual, depois da Tailândia”, afirmou Ulloa Ziáurriz, que lembrou que “aproximadamente 500.000 meninas e meninos são vendidos anualmente no turismo sexual”.

“O Brasil está caminhando para se tornar o país com o maior número de meninas e meninos em situação de exploração sexual no mundo. Durante a última Copa do Mundo se pôde documentar que fora dos estádios se vendiam serviços sexuais com meninas de até dez anos em troca de R$ 6”, exemplificou.

A diretora da Catwlac explicou que o turismo sexual é também conhecido como o tráfico inverso, quando se dá o fenômeno de mobilização das vítimas com fins de exploração sexual, sem necessidade de tirá-las do país de origem.

Catwlac se apoia nos veículos de comunicação e autoridades esportivas e governamentais do país e a primeira ação que promoverá é a assinatura de um manifesto dirigido ao presidente interino, Michel Temer, para solicitar que seu governo reforce as medidas para erradicar o turismo sexual.

O manifesto também será entregue aos países participantes e ao Comitê Olímpico Internacional (COI). Além disso, foi criado um concurso para que os jovens criem a música e a letra – em quatro idiomas – da campanha.

>Ver artigo original.

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail

Comentarios:

AlphaOmega Captcha Classica  –  Enter Security Code
     
 

*