Profissão Repórter mostra traumas provocados pelo abuso sexual infantil (Profissão Repórter, G1)

Profissão Repórter mostra traumas provocados pelo abuso sexual infantil
O Brasil registra 50 denúncias de abuso a crianças e adolescentes por dia. O Profissão Repórter desta quarta-feira (27) começa logo depois do futebol.

Uma jovem de 23 anos percebeu a violência sexual que sofreu na infância durante uma aula na faculdade. A professora falou sobre o perfil dos abusadores e de suas vítimas. “Eu fui para casa e fiquei pensando naquilo e revivi tudo aquilo. O que aconteceu comigo durante todo esse período não é normal. Eu tenho que resolver isso”, disse a jovem. Ela e mais dois amigos, hoje maiores de idade, procuraram a polícia. Eles acusam um vizinho que dava aulas de informática para as crianças da rua. O repórter Erik Von Poser registrou a prisão do suspeito e ouviu os relatos das vítimas.

O repórter Victor Ferreira entrou na ala onde ficam os condenados por crimes sexuais no Presídio Central de Porto Alegre. Dos 26 condenados, seis concordaram em dar entrevista. Um desses homens foi condenado pelo estupro da enteada de 10 anos. Ele ficou foragido por oito anos e foi preso quando já estava casado com outra mulher. Joana Ferreira, uma comerciante de Caldas Novas, nunca desconfiou do passado do marido.

O repórter Guilherme Belarmino fala sobre o transtorno sexual que se caracteriza pelo desejo por crianças, a pedofilia. Os pedófilos que procuram ajuda médica são tratados com antidepressivos, com medicamentos que estabilizam o humor e até drogas que têm ação sobre a testosterona. Um homem que cumpriu pena por assistir vídeos pornográficos na internet procurou ajuda médica depois que saiu da cadeia. Ele recebeu o diagnóstico de pedofilia e conta como foi revelar para a família que sofre deste transtorno.

>Ver artigo original.

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail

Comentarios:

AlphaOmega Captcha Classica  –  Enter Security Code
     
 

*