Como vício em pornografia está afetando saúde sexual de jovens britânicos
(BBC Brasil)

Como vício em pornografia está afetando saúde sexual de jovens britânicos

Um número cada vez maior de homens jovens está sofrendo problemas de saúde sexual, como disfunção erétil, por causa do consumo exagerado de pornografia virtual.

O alerta é de uma das principais psicoterapeutas britânicas.
Segundo Angela Gregory, da Universidade de Notthingham, homens entre 18 e 25 anos são os mais suscetíveis a sofrer com o vício em pornografia online.

Ela acrescenta que grande parte dos acessos ao material pornográfico se dá por meio de celulares e laptops.
“O que eu vi nos últimos 16 anos, particularmente nos únicos cinco anos, foi um aumento no número de pacientes relatando problemas de saúde sexual”, diz ela.

“No passado, homens com disfunção erétil que nos procuravam eram mais velhos e o problema estava associado a diabetes, esclerose múltipla ou doenças coronarianas. Mas essa situação mudou”, acrescenta.

Angela destaca que os pacientes mais jovens não apresentam nenhuma dessas doenças.

“Eles não têm nenhuma doença orgânica; já foram consultados por clínicos-gerais e tudo parece normal”, explica.
“Mas mesmo assim apresentam disfunção erétil. Por isso, uma das primeiras perguntas que faço aos pacientes é sobre o volume de pornografia que eles consomem, bem como seus hábitos de masturbação. Isso pode ser a raiz do problema para entender por que eles não conseguem manter uma ereção com seu(sua) parceiro(a)”, acrescenta.

Vício

O britânico Nick (nome fictício) confessa que começou a consumir pornografia na internet quando ganhou seu primeiro laptop, aos 15 anos.

“Rapidamente, fiquei viciado. Via pornografia todos os dias”, diz.

“Não havia nada que me estimulasse. Por causa disso, com o passar do tempo, passei a procurar conteúdo cada vez mais exagerado para conseguir ter uma ereção”, relata.

“Isso passou a prejudicar minha vida. Nunca sonharia em colocar em prática o tipo de pornografia que consumia”, acrescenta.

Não demorou muito para que Nick começasse a sofrer com problemas de saúde sexual.

Sem ereção

“Descobri que quando estava na cama com uma mulher, apesar de me sentir atraído e querer fazer sexo com ela, nada me excitava. Meu impulso sexual estava totalmente focada na pornografia”.

“No meu ápice, provavelmente via pornografia online por duas horas todos os dias”.
Quando percebeu que tinha um problema, Nick decidiu procurar ajuda.

“Tive uma consulta com uma médica e ela me disse que eu não tinha nenhum problema de saúde. Por outro lado, me falou que vinha ouvindo relatos similares de muitos pacientes com o mesmo problema.”
Como parte de sua reabilitação, Nick passou 100 dias sem consumir pornografia virtual e ficou aliviado quando as coisas começaram a voltar ao normal.

“Minha libido voltou e encontrei uma menina. Foi ótimo”, conta.
“Pela primeira vez, fui capaz de flertar e depois de algum tempo fazer sexo normalmente”.
“Me senti equilibrado e feliz”.

Apoio

Depois de vencer o vício, Nick passou a oferecer apoio a outros usuários com o mesmo problema.
“Quando me recuperei, passei bastante tempo em fóruns na internet para ajudar outras pessoas que estavam passando pela mesma situação”.

“Hoje, há muito mais informação disponível do que no passado”.
“Você deve conversar com seus amigos, pessoas que estão próximas de você ou naquelas em quem você confia. Não se preocupe, há muitas pessoas no mesmo barco”, recomenda.

>Ver artigo original.

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail

Comentarios:

AlphaOmega Captcha Classica  –  Enter Security Code
     
 

*