Regulamentar a prostituição: uma “armadilha para as mulheres” (PÚBLICO)

Regulamentar a prostituição: uma “armadilha para as mulheres”

Organizações que defendem direitos das mulheres mostraram-se contra a regulamentação da prostituição num debate em Lisboa. Trata-se de “regulamentar a violência”, alegam.

JOANA GORJÃO HENRIQUES

Dias depois de a comissão nacional do PS ter aprovado uma moção para regulamentar a prostituição, a Plataforma Portuguesa para os Direitos das Mulheres (PPDM) organizou nesta quarta-feira um debate, na reitoria da Universidade de Lisboa, sobre o tema em que todos os intervenientes discordaram deste modelo. O tema do debate era, aliás, contra isso: “Sistema da prostituição, violência contra as mulheres.”

PUB
Este foi um dos vários temas em discussão no programa de celebração do Dia Internacional da Mulher, organizado pela Secretaria de Estado para a Cidadania e Igualdade, a Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género, a PPDM, a associação feminista as Capazes, e a União de Mulheres Alternativa e Resposta. À margem do programa, a secretária de Estado para Igualdade, Catarina Marcelino, afirmou ao PÚBLICO que a moção é matéria interna do PS. Mas “a regulamentação da prostituição merece discussão alargada”, disse. “Há posições muito diferentes, umas mais liberais outras mais conservadoras. Mas nunca a equacionámos como matéria da nossa agenda política no Governo.”

A moção do PS, impulsionada pelo deputado João Torres, defende que a prostituição esteja sujeita aos mesmos direitos e deveres que outras profissões. Na votação, que foi renhida, o primeiro-ministro António Costa foi contra, segundo relatou o Diário de Notícias.

“Nem percebo como esta questão surge neste momento”, disse ao PÚBLICO no final da sessão Ana Sofia Fernandes, presidente da Eos – Associação de Estudos, Cooperação e Desenvolvimento, também da PPDM. “Não vi qualquer debate em termos sociais, surpreendeu-nos bastante”, acrescentou.

Avaliar modelos “fora de moda”

“A regulamentação da prostituição é uma armadilha para as mulheres. É importante fazer a avaliação de modelos que na minha opinião até já estão fora de moda.” Porque, acrescentou, a igualdade de género avançou entretanto.

A presidente da Eos sublinhou ao PÚBLICO que todos os tratados de direitos humanos recusam a classificação “trabalhadoras do sexo”, porque este “não é um trabalho”. Mas em Portugal até é possível a qualquer pessoa que se prostitua passar recibos verdes e descontar para a Segurança Social como trabalhadora independente, diz — por isso a questão da regulamentação “é falaciosa”. Seria isto que diria a alguém que se prostituísse e quisesse ter os mesmos direitos e deveres que outras profissões.

Também Conceição Mendes, assistente social na associação O Ninho, organização que apoia as mulheres na prostituição, defendeu que regulamentar a actividade “é regulamentar a violência e dar o poder aos homens de comprar um corpo”. Na sala, contrariou o argumento de que a prostituição pode ser um direito sobre o corpo: é violência, sublinhou. “O poder está sempre na mão de quem tem dinheiro sobre a mulher que está na rua e que está em casa.”

E chamou a atenção: “Nenhuma das mulheres que conheço quer ter o seu nome num sistema de impostos ou de segurança social como prostituta. Há que proteger as mulheres e lutar pelo sistema nórdico, abolicionista.”

Em Portugal, a prostituição não é crime, mas o lenocínio é e Ana Sofia Fernandes caracteriza o modelo português como semi-abolicionista por não encarar a prostituição como violência. Para a feminista, o modelo abolicionista é o que vai ao centro da questão considerando a prostituição como violência contra as mulheres e criminalizando o proxenetismo e a compra de sexo.

Com um número ainda reduzido de sócios em Portugal e fundado há um ano, o Movimento Zero Macho, formado por homens que dizem não à prostituição e se assumem como feministas, fez-se representar pelo lusodescendente Bruno Assunção. “Ser de esquerda e não ser abolicionista é uma contradição. Não se pode vender o corpo humano, ponto”, afirmou.

>Ver artigo original.

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail

Comentarios:

AlphaOmega Captcha Classica  –  Enter Security Code
     
 

*