Da Playboy para o Pornhub: 4 personagens que fizeram o que é o pornô de hoje (Fight the New Drug/Medium)

Da Playboy para o Pornhub: 4 personagens que fizeram o que é o pornô de hoje

A história da pornografia sempre foi muito contestada. As representações eróticas foram encontradas em artefatos que remontam a tempos pré-históricos, enquanto os romances eróticos não atingiram as prateleiras até muito mais tarde em 1748.

Aqueles que vêem a pornografia como inofensivos gostam de usar o argumento de que, desde que o erotismo existe há séculos, a existência de pornografia moderna é normal e natural. Mas, no grande esquema das coisas, a história prejudicial da pornografia ainda é relativamente recente e nova para a nossa sociedade. Uma vez que se você considera que os filmes pornográficos são realmente tão antigos como a própria filmografia, ainda é um piscar de olhos em relação ao resto da história humana.

E quando você realmente pensa sobre isso, a arte de cerâmica erótica pode ser bastante comparada com o fluxo interminável de pornografia hardcore livre e violenta? Vamos ser honestos — isso não é comparar maçãs com maçãs.
Então, como chegamos a onde estamos hoje, onde a pornografia é amplamente aceita e um tabu selvagem, onde quase todos os cidadãos livres pensam que essas coisas estão prontamente disponíveis com o toque de um botão de um dispositivo que vive nos bolsos? A rápida e louca evolução da pornografia envolveu algumas figuras notáveis ​​e movimentos sociais, mas talvez nem mais do que os quatro abaixo. Os seguintes quatro são apenas alguns dos dominós maiores em uma reação em cadeia de influências que fizeram a pornografia hardcore o que é hoje.

Alfred Kinsey
Alfred Kinsey é amplamente considerado a primeira figura importante na sexologia americana. Como biólogo e professor de entomologia e zoologia, ele fundou a Institution for Sex Research na Indiana University em 1947. Ele prosseguiu para publicar o Comportamento Sexual no Homem Humano (1948), seguido pelo Comportamento Sexual na Mulher Humana em 1953 . O par de obras é conhecido como “Relatórios de Kinsey” ; dois livros que tentaram explicar a complicada história do comportamento sexual humano, relatando resultados sobre masturbação, sexo pré-marital e adultério .

Além do choque inicial que esses livros tiveram sobre o público, os métodos utilizados para coletar os dados para os relatórios também receberam sua parte justa das críticas garantidas . As reivindicações feitas nos relatórios foram provadas de entrevistas pessoais de participantes dispostos, mas a história mostrou que alguns dos dados também vieram da observação pessoal de Kinsey e envolvimento na atividade sexual, muitas vezes envolvendo seus colegas de trabalho. Há também relatos que ele provocou e observou o abuso de crianças pequenas pela “pesquisa”.

Apesar de sua natureza grosseira, antiética e polêmica, o Kinsey Reports, que em conjunto vendeu três milhões de cópias, teve um profundo efeito sobre o que mais tarde se chamou de “revolução sexual”.

Hugh Hefner
“O Hef” é talvez o influenciador mais emblemático da evolução da pornografia como a conhecemos hoje. Em 1953, Hugh Hefner mudou o jogo pornô para sempre com sua publicação histórica da revista de “entretenimento adulto” Playboy , que apresentou a amada Marilyn Monroe em toda a sua glória . A revista, cheia de fotos nus e explícitas de mulheres, ladeada por artigos jornalísticos difíceis, foi um sucesso imediato, vendendo mais de 50.000 cópias. A popularidade generalizada e súbita da nova revista trouxe a Playboy o reconhecimento que precisava para se tornar rapidamente a empresa multimilionária que é hoje.

Dizer que Playboy mudou a perspectiva da nossa sociedade sobre a pornografia é um eufemismo. Não só fez as imagens exclusivas para adultos muito mais facilmente acessíveis aos seus espectadores, mas a Mansão Playboy e o reality show The Girls Next Door fez uma vida de pornografia, objetivação e sexo casual parecer glamouroso e desejável. Há décadas, a marca mundial da Playboy tem sido o pão e a manteiga do assunto tabu que abordamos hoje.

Televisão e Cinema
À medida que a televisão e o cinema começaram a fazer sua marca na mídia moderna, também fizeram filmes adultos explícitos. Começou com o lançamento do Blue Movie (1969) , o primeiro filme teatral sexualmente explícito, dirigido por Andy Warhol. Seguindo rapidamente o lançamento, outros filmes eróticos adultos, como Mona (1970), e Deep Throat (1972) . Esses filmes, embora ainda vistos como rudimentares pelo público, foram extremamente bem-sucedidos e foram até apelidados de “chique pornô” na então chamada de “Era de Ouro” da pornografia.

Hoje, a pornografia rasteja seu nome para a mídia principal . Claro, não é tão prevalente como já foi, como no final da década de 90, onde o humor relacionado com pornografia tomou lugar em programas de televisão populares como F.R.I.E.N.D.S. (grite para todos os fãs de Rachel Greene), mas continua a aparecer nos filmes hoje como o tópico tabu tal como é, embora muito mais normalizado e até mesmo celebrado.

MindGeek
MindGeek é uma caixa de Pandora no domínio da pornografia na internet. Uma empresa privada sediada na cidade de Luxemburgo, com escritórios em Dublin, Hamburgo, Londres, Los Angeles, Houston, Miami, Montreal e Nicosia, a MindGeek possui e opera os sites de pornografia hardcore mais populares hoje em dia. Mas, olhando para suas mídias sociais e sites, você nunca saberia que eles são o sistema nervoso da pornografia cada vez mais violenta, abusiva e sempre explícita.

Ao longo dos anos, esta empresa gigantesca compreendeu cuidadosamente seus vários domínios, a fim de oferecer pornografia facilmente acessível aos seus telespectadores, tornando-se rapidamente o mais importante do mundo da pornografia na internet . Embora você nunca adivinhe lendo sua página de materiais promocionais ou de carreiras, esta empresa de tecnologia singular possui agora a maioria dos “nomes de marca” na pornografia convencional: Pornhub, Brazzers, Webcams, Xtube, Redtube, YouPorn, alguns dos Playboy’s ativos e dezenas mais.

Com a forma como nossa sociedade adora a world wide web (e quem não ), é difícil imaginar um mundo livre de pornografia na internet, e MindGeek fez isso possível.

Progresso
Embora seja evidente que a nossa sociedade percorreu longamente o caminho errado para aceitar a pornografia, ainda há esperança para um futuro mundo livre de representações artificiais do amor e do sexo sintético. Em 2016, Utah fez história quando sua Câmara dos Deputados declarou publicamente que a pornografia é uma “crise de saúde pública” no estado, levando o mesmo tipo de conscientização e resolução centrada na educação a ser aprovada em vários estados.

Ao nosso redor, indivíduos e comunidades estão escolhendo tomar uma posição no lado direito da história para lutar por um futuro livre de pornografia, exploração sexual e tráfico sexual. Mais e mais pesquisas estão sendo conduzidas que mostram os efeitos prejudiciais da pornografia sobre os cérebros, as relações e a sociedade do consumidor, como um todo, classificando claramente a pornografia como algo a ser evitado ao invés de celebrado.

Por que isso importa
Qualquer historiador irá dizer-lhe que, sem conhecer o nosso passado, temos pouco espaço para pavimentar o nosso futuro. Ao tentar entender como a nossa sociedade passou a ser o que é hoje, teremos um melhor controle sobre como podemos mudar a narrativa ou nossa história. E ao entender como a pornografia evoluiu e se adaptou, podemos entender melhor como não é essa norma social que outros afirmam ser.

Com mais pesquisa, educação e conscientização, há esperança para um futuro que conta uma história diferente do nosso passado.

traduzido por: Yatahaze

>Ver artigo original.

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail

Comentarios:

AlphaOmega Captcha Classica  –  Enter Security Code
     
 

*