As mulheres estão procurando por pornografia mais violenta do que nunca, mas por quê?
(Fight the new drug/Medium)

As mulheres estão procurando por pornografia mais violenta do que nunca, mas por quê?

No caso de você não saber ainda, a pornografia não é apenas “uma coisa de homem”. Com a maior disponibilidade de pornografia na internet na última década, as mulheres estão se tornando tão ativas em sites pornográficos hardcore como homens e, em alguns casos, mais ainda. Este não é apenas um problema de homens, é um problema humano. E a pesquisa e os dados disponíveis estão mostrando esse fato mais do que nunca.

Um tempo atrás, publicamos um artigo que discutiu os dados chocantes que um popular site de pornografia divulgava sobre os critérios de pesquisa de pornografia das mulheres em seu site.

O que tornou os dados chocantes? Não só seus dados revelam que as mulheres passaram mais tempo em seu site, mas também revelaram que estavam procurando mais pornografia hardcore do que os homens — muito mais. Isso mostrou que, em média, as mulheres tinham 100% mais chances de buscar termos como “hardcore”, “gangbang” e “sexo violento”, para citar algumas categorias extremas, além de mais algumas que não podemos escrever aqui.

Isso é ainda mais chocante quando você considera que o mesmo grupo de dados mostrou que a maioria (36%) das mulheres que viram pornografia tinha entre 18 e 24 anos. Mas mesmo que essas estatísticas se concentram nos hábitos de pornografia entre as mulheres, isso não é apenas uma questão de “mulheres”. Como dissemos anteriormente, trata-se de um problema de “todos”.

Permita-nos explicar.

Não é segredo que a pornografia hardcore geralmente não é gentil com as mulheres retratadas nas telas (basta ler as citações perturbadoras desses produtores pornô ). Com descrições como “gangbang”, “painal” (que é “anal doloroso”) e “sexo violento”, é fácil reunir que as mulheres nessas configurações pornográficas são muitas vezes resistentes ao abuso, enquanto são filmadas e carregadas para pornografia nos sites para o mundo assistir gratuitamente.

Então, por que mais mulheres consumidores procuram essa brutal forma de pornografia?

Um estudo de 2012 de 355 mulheres jovens descobriu que, em geral, 62% das mulheres relataram ter tido pelo menos uma fantasia sobre um ato sexual forçado. O estudo foi mais adiante para investigar por que as mulheres fantasiavam abusos. Duas explicações que avaliaram nessa investigação foram evitar a culpa sexual e uma desejabilidade sexual. Resumindo, as mulheres foram ensinadas para serem reprimidas sexualmente ou expressar que querem se sentir sexualmente desejadas. ( Esses sentimentos são, infelizmente, muito familiares para as mulheres que experimentam uma falta de desejo de seus parceiros que vêem a pornografia).

Um estudo diferente em 2011 descobriu que as mulheres são mais propensas a assistir pornografia (especialmente as categorias mais difíceis) quando sofreram violências sexuais e violência psicológica nas mãos de seus familiares. Não surpreendentemente, mais pesquisas mostram uma e outra vez que existe uma conexão direta entre pornografia e violência sexual.

Claramente, este é um ciclo vicioso. E enquanto não podemos identificar exatamente as razões pelas quais a pornografia extrema está se tornando cada vez mais atraente para as mulheres, pensamos que isso tem algo a ver com todos os fatores que mencionamos acima, além da normalização do pornografia e da escalada de um hábito pornô.

Este é um problema para todos.

Então, mais e mais mulheres estão buscando pornografia hardcore, e a pornografia é descaradamente violenta contra as mulheres. Além disso, mais e mais mulheres jovens estão vendo pornografia por mais tempo. O que essas representações poderiam ensinar as mulheres sobre sua natureza e responsabilidades sexuais? Para as mulheres jovens em especial, recorrer à pornografia para aprender sobre o sexo e a conexão humana já é uma má ideia —juntar “hardcore” na mistura? Não é bom.

Isso também acontece com os homens. A pesquisa mostra como o comportamento dos homens em relação às mulheres muda depois de ver pornografia, e até mesmo mostra que a pornografia promove atitudes sexistas em relação às mulheres. Isso significa apenas, desde que exista uma demanda constante de material mais e mais difícil, haverá pornógrafos que estão mais do que dispostos a fazer.

Veja como isso é prejudicial?

A pornografia hardcore não é um problema feminino. Não é um problema masculino. É um problema para todos. Então, o que pode ser feito?

Pare antes que ele comece.

A exposição precoce à pornografia entre mulheres foi encontrada por pesquisas para endossar atitudes de apoio ao estupro. Essas descobertas também descobriram que a aceitação das agressões sexuais pelas mulheres era um evento romântico. Essa normalização da agressão no quarto faz com que as mulheres vejam as situações de forma diferente, por exemplo, fazendo com que elas permaneçam em relacionamentos nocivos onde o abuso ocorre. E isso não é saudável para ninguém.

Isto é especialmente importante quando enfrentamos mais e mais jovens homens e mulheres usando a pornografia para aprender sobre sexo . O que a pornografia hardcore ensina aos jovens sobre como tratar uma mulher e, por sua vez, como ensina as mulheres jovens como elas devem ser tratadas?

Mude a narrativa.

Os relacionamentos devem acontecer em um lugar de amor mútuo entre os parceiros. Mais que isso, os parceiros devem se sentir respeitados e seguros em seu relacionamento. Quando a pornografia hardcore é introduzida nessa mistura, pode ser fácil para as linhas se tornarem borradas, cruzando limites que foram previamente estabelecidos e perdendo a vista do que é consensual e saudável.

Quanto mais normalizarmos a violência sexual contra qualquer um, mais a narrativa muda para “isso é como você trata as pessoas” ou “é assim que você deve ser tratado”. E pensamos que todos merecem ser melhores do que isso.

Texto traduzido por Fernanda Aguiar

>Ver artigo original.

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail

Comentarios:

AlphaOmega Captcha Classica  –  Enter Security Code
     
 

*