Preparando a nova geração de predadores sexuais, Pornhub abre loja em Nova York.
(Huffington Post/Yatahaze Kayasuma/Medium)

Preparando a nova geração de predadores sexuais, Pornhub abre loja em Nova York.

Todas estas mulheres negras à venda. Pensei em escravidão naquela loja de pornografia. Pensei nas histórias que minha avó me contou sobre a vida de sua mãe sob a escravidão… Ao ver essas mulheres negras algemadas, de pernas abertas ou amarradas, pareceu que essa parte da história — a história da escravização de meus antepassados — estava se repetindo.

Alguns estados, incluindo Utah e Arkansas, declararam a pornografia uma crise de saúde pública. Com 88% dos vídeos pornográficos que representam a agressão física, muitos temem que a proliferação e a acessibilidade desenfreada da pornografia on-line estejam normalizando a violência contra as mulheres e o abuso sexual de crianças.

A pesquisa descobriu que os “neurônios espelho“ que disparam e alimentam o cérebro nos fazem sentir os prazeres e as dores uns dos outros. Segundo os cientistas, os neurônios espelhos são poderosamente ativados pela pornografia. Usuários de pornografia muito frequentes compartilham traços com abusadores de drogas e opiláceos, muitas vezes levando a relacionamentos fracos, casamentos destruídos e problemas de saúde, incluindo disfunção erétil.

Em meio a essa crescente pesquisa sobre os danos sociais e médicos generalizados da pornografia, independentemente da visão de uma pessoa sobre a moralidade, aparece o Pornhub, posando como uma loja de varejo temporária inócua em um dos bairros mais caros de Manhattan.

Quase escondido em uma rua de paralelepípedos na elegante SoHo, pode-se facilmente caminhar pela vitrine sem dar uma segunda olhada. Mas as pessoas estão reunidas para a loja de pornografia graças a comentários brilhantes de uma mídia entusiasmada. O New York Times descreveu isso como um antídoto para a “escassez de obscenidade” na cidade e o gabinete do prefeito Bill de Blasio o pintou como “não tão interessante”. Filas de visitantes ansiosos ou curiosos passaram o bloqueio no dia em que surgiu a loja do Pornhub; Os proprietários planejam repetir isso em toda a cidade no próximo ano e lançar uma em Milão.

Através da porta de vidro, o espaço do Pornhub é arejado com um elegante design discreto que lembra o minimalismo escandinavo. O punhado de brinquedos sexuais dispersos e roupas no loft polido são uma reflexão tardia para o que o Pornhub realmente está vendendo. Esta não é Babeland . Pornhub não está pedindo sexo divertido ou erótico. É um marketing magistral em um empurrão corporativo para aumentar a audiência em um dos mais vil sites de pornografia da Internet. Em 2016, a Pornhub teve 64 milhões de visitantes no site todos os dias — são 44 mil acessos por minuto.

A pornografia traduzida literalmente do grego antigo (porne + graphos) é a representação de escravas na prostituição ou como a poeta e teórica feminista Robin Morgan disse uma vez: “a pornografia é a teoria e o estupro é a prática”.

“Enquanto a pornografia é vista como sinônimo de sexo, as pessoas vão defendê-la, mas, de fato, a pornografia é sobre o poder, não sobre sexo, assim como o assédio sexual é sobre o poder também”, diz Gloria Steinem, uma mulher que conhece sobre a resistência de milênios para alcançar a igualdade das mulheres. “O prazer sexual escolhido de forma mútua não é a pornografia ou o assédio. Precisamos tornar a diferença clara para salvar as vidas e compartilhar a humanidade entre homens e mulheres “.

Autodescrito como a “comunidade de sexo grátis n°1 na internet”, a página do site da Pornhub mostra uma grade de cerca de cinquenta telas na qual você pode clicar para uma visualização mais completa. Os títulos incluem “Pegando uma estudante para um passeio rápido”, “Empregada japonesa serve o convidado da casa”, “Adolescente ingênua e gostosa dá ao vovô uma chupada”. Os espectadores escolhem as mulheres por raça ou categorias, como “enteada” ou “pouco legal”. Em um clique, os visitantes da Pornhub observam homens de meia idade que penetram” atrizes “que se assemelham a garotas quase pré púberes em tranças e uniformes escolares.

Quando os estabelecimentos pornográficos poluíram o Times Square de Nova York na década de 1970, apenas uma pequena porcentagem da população mundial entrou no triênio X do bairro. Hoje, meninos menores que oito anos tropeçam na Pornhub on-line com uma pesquisa simples e apropriada para a idade da palavra “bunda”. As meninas da escola secundária que procuram bolsas de estudo universitárias aterrissam rapidamente no convite da Pornhub para ganhar matrículas gratuitas em troca de navegar na profunda misoginia.

“A pornografia molda a forma como pensamos sobre sexualidade, intimidade, violência sexual e igualdade de gênero”, diz Sonia Ossorio, presidente da NOW-NYC. “Quando Nova York glorifica uma vitrine chique que promove, do modo mais comum, crimes sexuais em suas jaquetas, incluindo gangbangs, incesto e estupro infantil, há um problema”.

Estudos descobriram que o consumo de pornografia está associado à perpetuação da violência física e psicológica masculina contra mulheres e mitos de estupro. Da Casa Branca a cada ambiente de trabalho e além, os acusadores do #MeToo relatam como seus agressores as trataram como bonecas sexuais criadas para realizar as fantasias mais sombrias dos perpetradores. O medo das vítimas ou a falta de consentimento eram irrelevantes.

A masturbação do comediante Louis CK na frente de suas colegas femininas atordoadas é diretamente ligada à pornografia (ele realmente admitiu que assite pornografia desde que tinha 12 anos). Harvey Weinstein convidou a atriz Cara Delavingne para o quarto de seu hotel para beijar uma estranha com a esperança de poder se juntar às duas mulheres em atos sexuais também está diretamente ligado à pornografia. Assim, como o botão secreto de Matt Lauer, âncora de televisão, embaixo da mesa do escritório, que lhe permitiu prender sua presa desavisada para atacá-las sexualmente.

Pornhub é parte integrante da indústria do sexo multimilionário, que se beneficia da exploração, da venda de desumanização e do tráfico sexual das pessoas mais marginalizadas do planeta. Não se deixe enganar por este lobo de longas presas em pele de cordeiro; O modelo de negócios da Pornhub é, em essência, violência sexual e ricamente ganha lucros somente se o comércio sexual brutal continuar a florescer.

“Muitos sobreviventes do comércio sexual vão dizer que seus cafetão ou traficantes trazem câmeras para o quarto, pelo menos, uma vez para filmar seus abusos, ​​diz Melanie Thompson, 21, que foi traficada em Queens aos 12 anos. Não importava se você se sentisse humilhada e degradada. Você tem que lidar com isso. Você tem que sorrir e se submeter, ou enfrentar as consequências de seu comprador e seu cafetão — seja lá o que for”.

Se você já se conecta ao Pornhub ou a sites similares, atue como um consumidor responsável. As pessoas agora estão corretamente preocupadas se o seu chocolate ou camisetas são produzidos com trabalho forçado ou como resultado do tráfico de crianças. Faça o mesmo com Pornhub e exploração sexual. Descubra quem termina com os ganhos exuberantes. Eduque-se sobre a vida dessas mulheres muito jovens, principalmente negras, retratadas como se estivessem se divertindo com a escravidão, presas e sendo chicoteadas. Quem fornece esse fluxo interminável de mulheres para seus vídeos — redes de tráfico criminais organizadas ou cafetões locais? Pergunte quantos anos essas mulheres foram vendidas pela primeira vez no comércio sexual? 16? 14? Ou como Melanie, 12? Ninguém se torna uma estrela pornô, depois de ser uma criança traficada por sexo.

Que nossos líderes nas cidades de todo o país permitam que os lucros descarados que fazem “representações de escravas” inibem qualquer esforço para alcançar a igualdade. O argumento desleixado da proteção da liberdade de expressão nos impede de ver os laços clarividentes entre violência sexual e assédio e comércio sexual, incluindo prostituição e pornografia. A menos que façamos essas conexões, as faculdades continuarão a lutar com abusos sexuais desenfreados no campus e as mulheres ainda se perguntarão quando serão valorizadas como seres humanos. Pornhub ensina a nossos filhos que o sexo é um veículo para controlar os corpos das mulheres e alimenta nossas meninas para absorver a degradação e a dominação masculina sexualizada como o preço de ser feminina.

Pornhub lucra transmitindo seu conteúdo grotesco, e nós temos que lutar como uma comunidade global. Abrir uma loja nas ruas encantadoras para preparar a próxima geração de predadores sexuais é algo que os nova-iorquinos devem lutar contra.

Esta publicação está hospedada na plataforma do Colaborador do Huffington Post. Os contribuintes controlam seus próprios trabalhos e publicam livremente em nosso site. Escrito por Taina Bien-Aime. Você pode ler em inglês aqui.

Traduzido por Yatahaze.

>Ver artigo original.

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail

Comentarios:

AlphaOmega Captcha Classica  –  Enter Security Code
     
 

*