Conscientização e Proteção das Mulheres nos Ônibus
(blog NossoÔnibus)

Conscientização e Proteção das Mulheres nos Ônibus

Dicas de Segurança | Escrito por Conciso TI

No mundo todo, o espaço público torna-se cada vez mais perigoso para as mulheres que andam sozinhas, uma vez que elas estão sujeitas a vários tipos de assédio, seja enquanto caminham pelas ruas, andam de bicicleta ou utilizam ônibus e metrô.

No Brasil, isso não é diferente. Quem utiliza o transporte urbano sabe que o assédio sexual existe e é frequentemente presenciado, muitas vezes em silêncio. Como o transporte é coletivo, não é possível conhecer bem quem está ao nosso lado e, por isso, é preciso saber como identificar esses casos e se proteger.

Neste post, vamos dar dicas sobre como identificar e lidar com o assédio em ônibus, caso aconteça com você ou com alguém que esteja próximo. Confira!

O que é o assédio sexual?
Antes de se preocupar em denunciar o assédio sexual sofrido no transporte urbano, é importante saber como identificá-lo. Afinal, ás vezes acontece certa confusão por conta de somente um esbarrão e uma frase maliciosa passa despercebida. Mas o que é realmente caracteriza o crime e como isso acontece nesse meio de transporte?

O assédio sexual tem normalmente as mulheres como vítimas e inclui qualquer tipo de comportamento sexual indesejado, como uma abordagem ou um toque.

Por exemplo: caso você ou alguma outra mulher esteja sendo tocada de forma proposital e indesejada por outra pessoa, esse é um caso de assédio, que precisa ser denunciado.

É importante ressaltar que o assédio também pode ocorrer de forma verbal: se alguém disser coisas — sejam elas comentários, ofensas ou até mesmo “brincadeiras” — de cunho sexual para você ou para outra pessoa no transporte urbano, você tem todo o direito, e até mesmo o dever, de denunciar.

Afinal, não é possível identificar qual a verdadeira intenção e o nível de periculosidade que o ofensor apresenta.

Como se proteger?
Infelizmente, o assédio sexual é algo imprevisível e fica difícil se proteger contra esses atos. Especialistas apontam que não adianta se vestir com roupas consideradas apropriadas ou carregar objetos como agulhas e alfinetes para se defender.

É preciso, então, adotar comportamentos defensivos, uma vez que não existem medidas de segurança eficazes contra esse risco no transporte urbano e nem mesmo nas ruas.

Contudo, existem algumas medidas básicas a serem tomadas e que podem fazer toda a diferença, como evitar andar sozinha e sentar no banco do corredor, por exemplo.

Veja, detalhadamente, algumas dessas estratégias a serem levadas em consideração!

Ande sempre acompanhada
Uma das formas de se prevenir contra o assédio é tentar andar sempre acompanhada. Se você é estudante, por exemplo, tente fazer amizade com outra pessoa que estuda no mesmo lugar que você e utilize a mesma linha de ônibus dela.

Assim, vocês podem proteger uma à outra e, caso o assédio ocorra, auxiliar na hora da identificação do ato e do agressor, além de dar suporte no momento da denúncia.

Procure sentar ao lado de outra mulher
Outra maneira de se proteger contra o assédio em ônibus é procurar lugares vagos ao lado de outras mulheres. Dessa forma, você estará mais segura.

Tente sentar sempre no banco do corredor
Ao se sentar, priorize os bancos perto do corredor, pois isso garante maior mobilidade a você e fica mais fácil fugir de situações de perigo.

Essa escolha permite, inclusive, um contato mais rápido com o motorista.

Prefira a parte da frente do ônibus
Outra dica é tentar ficar sempre na parte da frente do ônibus. Assim, caso haja alguma atividade suspeita, você poderá falar mais facilmente com o motorista, que deve ajudá-la a tomar as medidas cabíveis.

Caso não seja possível, procure ocupar outros espaços que considere seguros. Se você estiver em pé, por exemplo, tente manter-se encostada nas janelas ou nas laterais dos ônibus.

Procure descer o mais próximo possível do seu destino
Não importa o horário do dia e nem a situação, procure sempre descer o mais próximo que puder do seu destino.

Muitas vezes, ao se sentir constrangida ou desconfiada da atitude de um passageiro, a mulher prefere descer do ônibus antes de chegar ao ponto em que iria parar.

Nesse caso, se o agressor pretendia segui-la para aproveitar uma oportunidade de consumar o assédio em um ambiente com menos segurança para você, essa atitude pode facilitar.

Como reagir e fazer a denúncia?
Caso você sofra assédio sexual no ônibus, não fique calada! E lembre-se: usar a força física como primeira reação não é uma boa ideia. Ao perceber algo estranho, peça para a pessoa se afastar.

Se ela insistir, em primeiro lugar, fale com o motorista. Ele deve ajudar você a chegar à delegacia mais próxima, onde a denúncia será realizada. É importante dizer que deseja processar o criminoso para que ele vá a julgamento.

Para que tudo dê certo, reúna o máximo de informações sobre o agressor: a roupa que estava usando, sinais físicos e até fotos ou vídeos.

Dirija-se a uma Delegacia da Mulher, que é especializada em ajudar a população feminina vítima de violência. Lá, os profissionais certamente saberão lhe informar sobre todos os passos da denúncia e do processo.

Também é importante conhecer o número da Central de Atendimento à Mulher: 180. Você pode fazer a ligação a qualquer momento — inclusive se ainda estiver no ônibus em que sofreu o abuso ou viu outra pessoa ser abusada —, e os profissionais do outro lado da linha vão lhe orientar sobre como agir e quais providências tomar.

Outra maneira de denunciar — que pode ajudar a melhorar o serviço de ônibus que você utiliza — é fazer uso de aplicativos de mobilidade urbana. Essas ferramentas online geralmente permitem que você envie denúncias, comentários e sugestões. Basta baixar o aplicativo específico para o seu transporte e descrever o que aconteceu.

Dessa forma, a empresa responsável saberá dos casos de assédio e poderá tomar as medidas necessárias para tornar os ônibus mais seguros para os seus usuários.

Projetos de conscientização e proteção das mulheres contra o assédio nos ônibus
Atualmente, existem vários projetos que visam à conscientização da população para que as mulheres possam se locomover com segurança e sem medo. Existem ainda iniciativas que criam alternativas que ofereçam mais segurança ao público feminino.

A própria Organização das Nações Unidas (ONU) apresenta propostas com tal objetivo. Entre elas, a implantação de uma linha de ônibus somente para mulheres, por exemplo.

A possibilidade de a mulher fazer uma solicitação para descer em um lugar que seja o mais próximo possível do seu destino em horários de pouco movimento, como de manhãzinha ou tarde da noite, também é uma proposta apresentada pela ONU.

Em algumas cidades brasileiras, a legislação garante assento preferencial para as mulheres — como existem para os idosos, portadores de necessidades especiais e gestantes —, na tentativa de prevenir assédios sexuais.

Para quem faz uso do transporte urbano, saber como se proteger do assédio em ônibus é muito importante e pode fazer toda a diferença, caso um desses atos venha a acontecer com você ou com alguém que você conheça. Por isso, previna-se sempre e denuncie qualquer tipo de agressão ou violência sofrida.

Gostou do nosso post? Assine a nossa newsletter e receba conteúdos exclusivos que auxiliam a sua locomoção no dia a dia.

>Ver artigo original.

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail

Comentarios:

AlphaOmega Captcha Classica  –  Enter Security Code
     
 

*