Não é “anti-sexo” querer expor o papel cúmplice da pornografia em abuso e tráfico de crianças
(Lynda McNally/Yatahaze Kayasuma/Medium)

Não é “anti-sexo” querer expor o papel cúmplice da pornografia em abuso e tráfico de crianças

“Elas têm que estar convencidas de que eram elas que escolheram fazer isso, e elas devem ser constantemente lembradas de que suas vidas não valem nada“

O crescente número de usuários de internet que tropeçam com imagens de abuso sexual infantil indica que o abuso sexual infantil não está tão longe do mundo glamourizado da pornografia para adultos. Na verdade, eu argumentaria que é parte disso.

Nas décadas passadas, as atitudes sexistas particulares estavam contidas nos limites das culturas nacionais. Hoje, sob a globalização avançada, esses limites são menos claros. A pornografia não requer tradução, nenhuma explicação e nenhum pátria em particular. É uma linguagem universal, e também pode ser um campo de treinamento para abuso.

Uma quantidade incrível de filmes pornográficos inclui atos violentos para com as mulheres. Em 2010, a pesquisa estimou que 88% dos vídeos pornográficos mais populares representavam violência contra mulheres. E enquanto o público está horrorizado, o artista Julien Blanc força o rosto das mulheres em sua virilha , essas mesmas atividades são defendidas como escolha, libertação e “liberdade de expressão” na pornografia.

Os usuários podem ver uma grande diferença entre sexo adulto consensual e o uso ilegal de atores menores de idade, mas a preferência do comprador para as mulheres muito jovens estabelece o cenário para o abuso sexual. Aos 18 anos, as crianças exploradas supostamente se tornam trabalhadores adultos livres e voluntários. Esta é uma linha perigosamente desfocada, dado que o gênero “ adolescente “ continua sendo o pornô mais procurado — como os usuários podem ter certeza de que as atrizes pornográficas realmente estão dispostos a adultos?

Infelizmente, a ligação entre pornografia e exploração mais ampla raramente é discutida. É evidente que a “escolha do consumidor” ocidental para assistir pornografia pode restringir ou violar os direitos de outros, mas muitos preferem olhar para o outro lado.

As investigações do jornalista mexicano Lydia Cacho descobriram que os traficantes de sexo usam a retórica de escolha para justificar seu comércio: “escolhas difíceis ainda são escolhas”, disse um traficante de sexo infantil na Ásia. A “escolha” disponível para uma mulher americana de classe média para trabalhar na indústria do sexo é inaplicável para aqueles que vem de uma cultura profundamente coletivista, incorporada em sistemas de pobreza e responsabilidade familiar. No entanto, concentrando-se nos poucos privilegiados que apresentaram sua agência e livre vontade de se envolver na indústria, marginalizamos a maioria que não tem nenhuma. Mais preocupantemente, as investigações de Cacho revelaram que os traficantes também usam a ideia de libertação sexual ocidental e escolha para preparar as meninas. Basta considerar o que Cacho explicou nesta entrevista :

No Camboja, Cacho conheceu uma mulher que dirige um bordel que explicou como ela “reprograma” as meninas normalizando a exploração sexual através da exposição sistemática à pornografia. “Elas têm que estar convencidas de que eram elas que escolheram fazer isso, e elas devem ser constantemente lembradas de que suas vidas não valem nada “.
Alguns estados membros da ONU estimam que entre 60% a 90% das mulheres no comércio sexual são traficadas. As estimativas tailandesas mostram que 40% do comércio sexual é abuso sexual infantil e cerca de 90% das meninas traficadas são menores de idade. As mulheres indígenas também estão altamente representadas em áreas comerciais. A desigualdade global há muito incentivou a exploração sexual, mas apenas recentemente foi transmitida pela pornografia. Quantas dessas mulheres estão em filmes pornográficos vistos em todo o mundo? Pesquisas sugerem que os usuários não se importam.

A crítica de tais questões pode ser enquadrada como “anti-sexo”, ou contra aqueles que trabalham no comércio. Pelo contrário, a retórica da escolha ocidental pode legitimar a exploração dos economicamente vulneráveis. Argumentos para escolha, agência ou “pornografia feminista” criam novas oportunidades para expandir as vendas e não a ética. Os usuários se baseiam em evidências fragmentadas para argumentar que a indústria do sexo pode reduzir as atitudes e a violência sexistas. Isso vai diretamente contra a meta-análise de 2010, a evidência experimental mais recente e a revisão da legislação estadual nórdica mostrando o contrário.

A escala do comércio sexual obscurece seus danos e torna impossível de lidar. As economias em desenvolvimento não possuem os recursos nem a integridade estrutural necessária para indiciar os abusadores sexuais. Com exceção de alguns estados nórdicos, o cliente pode comprar sexo em qualquer lugar do mundo. Sites inteiros são dedicados a informar os “turistas sexuais” sobre como explorar melhor meninas e mulheres em qualquer país. Enquanto isso, as leis contra o tráfico continuam fragmentadas: a Austrália, por exemplo, implementou apenas na legislação em 2005.

Os partidários do comércio sexual que se inclinam para a esquerda comumente argumentam que todas as indústrias são exploradoras sob o capitalismo, de modo que a indústria do sexo é como qualquer outra. Aqueles que sobrevivem à indústria contam uma história diferente. Que a degradação e a dor de vida é incomparável, não quantificável e inimaginável, o sofrimento continuamente se repete, pois seu abuso pode ser traficado no cinema ao redor do mundo, uma e outra vez. As taxas de TEPT (Transtorno do estresse pós-traumatico) experimentadas pelos sobreviventes do comércio sexual, que são iguais às dos veteranos de guerra, atestam isso.

Os consumidores precisam tirar os óculos coloridos por pornografia e criticar a indústria pelo que ela é — um comércio global de abusos dos direitos humanos. Quem enfrentaria Julien Blanc se uma economia global de misoginia continua a ser tolerada?

Texto de Laura McNally, para o The Guardian. Você pode ler o texto em inglês aqui. Tradução por Yatahaze.

>Ver artigo original.

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail

Comentarios:

AlphaOmega Captcha Classica  –  Enter Security Code
     
 

*