Prostituição: seres humanos sendo desumanizados. Uma conversa com psiquiatra alemão, Dr. Lutz-Ulrich Besser, fundador e diretor do centro de Trauma Psicológicos e Terapia por Trauma de Baixa Sinfônica
(Mulheres contra estupro pago)

Prostituição: seres humanos sendo desumanizados. Uma conversa com psiquiatra alemão, Dr. Lutz-Ulrich Besser, fundador e diretor do centro de Trauma Psicológicos e Terapia por Trauma de Baixa Sinfônica.

SOLWODI: É a prostituição um trabalho como outro qualquer?

Lutz-Ulrich Besser: Esta atividade não é de todo um trabalho como outro qualquer. Para quem lida com este tema deve ficar claro que este processo muito íntimo quando um cliente penetra o corpo de uma mulher – mesmo que supostamente aconteça por mútuo consentimento – só se torna suportável se a mulher divide seus sentimentos de sua consciência. Mulheres na prostituição estão muitas vezes em circunstâncias difíceis e são impulsionadas, pressionadas e forçadas por cafetões. Isso envolve exploração e humilhação sexual – e é um atentado à dignidade da mulher.

SOLWODI: Quão significante as experiências prévias na infância têm para adentrar na prostituição?

Lutz-Ulrich Besser: As mulheres que foram submetidas ainda crianças a esses abusos sexuais não tinham como em sua infância perceber o que aconteceu com elas. O medo, a aversão, a dor talvez só possa ser superada por fortes fenômenos dissociativos, ou seja, uma separação de consciência. No entanto, esta experiência permanece virtualmente congelada no cérebro. O mecanismo principal é aqui um “estar-em-pé-sozinha”, uma escolha “não-a-ser-eu-mesma-mais”. Como seus sentimentos e sensações do corpo são separados de consciência, a prostituição é para muitas mulheres exploradas sexualmente uma repetição ou continuação de humilhação e exploração do seu próprio corpo desde a infância.

SOLWODI: Podem essas mulheres se curar?

Lutz-Ulrich Besser: Tal fenômeno pode, obviamente, ser tratado hoje. Uma vez que as mulheres não são obrigadas por dificuldades econômicas ou cafetões violentos, a questão crucial para a cura torna-se se a mulher tem a força interior para perceber que tudo isso não é bom para ela e que ela deve sair de lá.

SOLWODI: O que pode ser feito para reduzir os traumas na prostituição?

Lutz-Ulrich Besser: Acima de tudo, a informação é necessária. É preciso também abordar os homens e criar uma consciência de que um abuso de mulheres tem lugar na prostituição. Os homens pensam: “Eu comprei o corpo de uma mulher, então eu tenho o direito de usá-la.” Essa habilidade em comprar mulheres é o problema real. Homens não percebem isso no momento, porque eles estão pagando dinheiro para um produto de balcão, por assim dizer. Mas isso é sempre, bem, eu diria, um negócio sujo.

SOLWODI: Como você avalia a situação, especialmente na Alemanha?

Lutz-Ulrich Besser: A Lei da Prostituição adotada em 2002 pelo governo vermelho-verde foi certamente bem intencionado, mas seu efeito foi que a Alemanha realmente se tornou o bordel da Europa. A consequência da prostituição legitimada tem sido que grandes bordeis existindo como supermercados. Quando você olha talk shows onde donos de bordeis, como uma questão de curso, transmitem a mensagem de que eles tomam o dinheiro para proporcionar um belo cenário para as empregadas sexuais e seus clientes, você vê quão distorcida a situação realmente é. De fato, isso é sobre exploração de feminilidade e mulheres.

SOLWODI: Qual seria a informação que você mencionou parece?

Lutz-Ulrich Besser: Além do fato de que a prostituição tem existido desde tempos imemoriais; a prostituição tem havido um aumento em comportamentos sexualmente problemáticos, o que é particularmente atribuível à pornografia onipresente. Em dois cliques, toda criança ou jovem está online em sites de pornografia na internet e eu não estou falando dos ilegais! O que significa para o desenvolvimento de crianças e adolescentes e de suas ideias do que constitui sexualidade – eu acredito que isso é um desenvolvimento muito muito muito perigoso. Quanto mais isso estimula fantasias, mais eles se tornam realidade em curso. Eu iria introduzir proibições muito mais fortes, especialmente na área da pornografia e não apenas punir pornografia infantil. Mas o Estado lucra com isso e a indústria pornográfica; a indústria do sexo é um ramo da indústria altamente lucrativa, então eu temo os políticos realmente não tenham interesse em intervir. A sexualidade humana, como um instinto, é principalmente uma interação social prazerosa entre dois seres humanos adultos em situação de igualdade. Prostituição, no entanto, é altamente antissocial.

Mais informações

Fonte: http://www.solwodi.de/1039.0.html

Sobre Dr. Lutz-Ulrich Besser: http://www.zptn.de/Homepage/zptn_main.html

>Ver artigo original.

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail

Comentarios:

AlphaOmega Captcha Classica  –  Enter Security Code
     
 

*